Pederneiras trabalha para exterminar planta invasora no Parque Aquático

As macrófitas são importantes para o funcionamento e manutenção dos ecossistemas aquáticos

Por Paulo Grange 03/04/2019 - 08:56

Lagoa após a retirada das plantas aquáticas pelos funcionários da Prefeitura, de forma manual e com utilização de redes

A proliferação é tão rápida nessa fase desenfreada que, dois dias depois, a Lagoa já estava assim

 

Neste último mês de março a Prefeitura de Pederneiras se deparou com um invasor diferente na cidade: uma planta aquática denominada macrófita, da espécie Lemna, tomou conta da lagoa do Parque Ecológico do município e vem causando preocupação nas autoridades e curiosidade nas pessoas que frequentam o local. As medidas para que a lagoa volte à sua normalidade já estão sendo tomadas pela Prefeitura.

 O QUE É ISSO

As macrófitas são importantes para o funcionamento e manutenção dos ecossistemas aquáticos. Muitas espécies, inclusive, são utilizadas para fins medicinais, artesanato, ornamentação, adubação, tratamento de efluentes, aquariofilia e alimentação. Contudo, podem se tornar uma praga devido ao seu rápido crescimento, causando enormes prejuízos. E é isso o que vem ocorrendo na lagoa do Parque.

Segundo a secretaria municipal de Meio Ambiente, os funcionários do Parque perceberam a proliferação desenfreada da Lemna e, após verificarem o que estava acontecendo, constataram o vazamento de esgoto proveniente do sistema de coleta e afastamento de efluentes domésticos administrado pela Sabesp. A Companhia de Saneamento foi notificada pela Prefeitura e resolveu o problema do vazamento, mas como esse tipo de planta se desenvolve rapidamente no verão e, principalmente, em ambientes que tenham sofrido este problema, até hoje a reprodução das macrófitas continua desenfreada.

 AÇÕES

Para impedir a proliferação e limpar a lagoa, a Prefeitura Municipal está fazendo a retirada mecânica das plantas, com manejo manual e utilização de redes. Os funcionários municipais, porém, vêm tentando de forma paliativa, fazer o serviço, uma vez que a reprodução e disseminação aceleradas das macrófitas não permitem o sucesso definitivo dessa empreitada.

Outras ações estão sendo estudadas, como a contratação de empresas especializadas e a busca de uma parceria com a Sabesp, já que trata-se de uma ação bastante onerosa ao município.