Denúncia de compra de votos é arquivada em Bariri

Denúncia de compra de votos é arquivada em Bariri

Por José Luiz H. Galazzini 05/08/2018 - 09:47

Bariri - A Justiça Eleitoral de Bariri julgou improcedente uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) ajuizada pelo Ministério Público e pela coligação "A Bariri que o povo quer" para apurar denúncia de suposta compra de votos contra o candidato da coligação "Nossa Força, Nossa Gente", que elegeu prefeito no município Neto Leoni (PSDB) em pleito suplementar no dia 3 de junho deste ano com 8.576 votos contra 6.739 votos do candidato Airton Pegoraro (MDB), da coligação que formalizou a denúncia.

A ação teve como origem boletim de ocorrência (BO) registrado na delegacia da cidade no dia 30 de junho, na fase final da campanha eleitoral. No documento, constou que Leoni teria aceitado pedido de dinheiro feito por um munícipe para arcar com custos de um churrasco e de transporte de eleitores e entregado ao eleitor denunciante o valor de R$ 100,00. O fato teria ocorrido durante reunião com eleitores em uma chácara.

O juiz eleitoral do município Maurício Martinez Chiado rejeitou a representação devido à ilicitude da gravação ambiental que instruiu a denúncia, produzida em ambiente privado, durante a noite, com expectativa da privacidade dos representados, além de ter sido previamente preparada pelos denunciantes.

Na sentença, o magistrado escreveu também que ficou comprovado que o denunciante tinha afinidade com adversários políticos e isso não permite a intervenção na soberania popular, especialmente porque, desde o início, os denunciados jamais propuseram a efetivar "baldeação de eleitores".

Ainda consta no texto do juiz que os denunciados queriam apenas e tão somente, "quem sabe, criar um factoide" às vésperas do pleito com o objetivo de beneficiar com vantagem no pleito que se avizinhava, tanto que após prepararem a gravação ambiental (conversa com o candidato do PSDB) o denunciante se dirigiu diretamente a pessoas com estreito vínculo com a coligação adversária. A sentença é de 1 de agosto e publicada na última sexta-feira (4).