Abaixo-assinado tenta barrar asfaltamento de ruas de pedra em Bocaina

Prefeitura de Bocaina afirma que a obra conta com o apoio dos moradores das vias e é necessária para melhorar o acesso ao PS da Santa Casa

Por Paulo Grange 17/04/2019 - 09:54

Ruas do Centro de Bocaina preservam paralelepípedos instalados do início do século passado

Foto:Vlad Benincasa/Reprodução Facebook

Fonte: JC NET / Lilian Grasiela

Um morador de Bocaina criou abaixo-assinado virtual para tentar barrar o asfaltamento de ruas de paralelepípedo no centro histórico da cidade. O documento, que está disponível há apenas três dias, contava com mais de 170 assinaturas até o final da tarde de ontem. O Executivo justifica que os moradores das ruas de pedra aprovam o serviço e que ele é necessário para melhorar o acesso à Santa Casa.

A reportagem apurou que, durante recente reunião com integrantes do Conselho Municipal de Turismo, a prefeitura apresentou a proposta para asfaltar ruas de paralelepípedo que datam do início do século XX. A informação, divulgada inicialmente pela página Bocaina Informa, desagradou muitos moradores.

Um deles, o comerciante Luis Otávio dos Santos, 23 anos, teve a ideia de coletar assinaturas pela Internet para tentar evitar que a obra seja executada. No abaixo-assinado virtual, ele argumenta que a aplicação de massa asfáltica nas ruas de pedra "desfiguraria e ignoraria toda a rica história do município".

Santos alega que Bocaina recebeu recentemente o título de Município de Interesse Turístico (MIT), em grande parte, pela sua arquitetura. Assim que soube da proposta, ele conta que entrou em contato com amigos que também não concordam com o asfaltamento, entre eles um estudante de História.

"A partir daí, nos organizamos pra tentar evitar. A motivação vem do amor que tenho pela história. Não poderia ver isso acontecer e ficar de braços cruzados", ressalta. "Mesmo com o pouco tempo (de criação do abaixo-assinado), foi possível observar que há bastante gente tão indignada quanto nós".

De acordo com o comerciante, ao final do prazo para as adesões ao abaixo-assinado virtual, o documento será encaminhado ao Executivo. Ele conta que um vereador da cidade também se comprometeu a encaminhar um ofício à administração municipal para tentar reverter a execução do serviço.

A prefeitura tem plano de cobrir com massa alfáltica as ruas com paralelepípedo de Bocaina

Foto: Bruna Bevilaqua

 

PROTESTO

Na próxima segunda-feira (22), um grupo de moradores fará uma manifestação contra a obra durante a sessão da Câmara. O idealizador do protesto, Antônio Carlos Bispo do Carmo de Oliveira, conta que a ideia é levar cartazes e coletar mais assinaturas de pessoas insatisfeitas com o asfaltamento das ruas históricas. "A gente percebeu que essa insatisfação com o projeto do asfaltamento é de grande parte da população", afirma.

OUTRO LADO

Em nota, o diretor de Turismo de Bocaina, Carlos Alberto Cunha, explicou que o projeto de asfaltamento das ruas do centro histórico teve início em 2011 visando à adequação do acesso ao Pronto-Socorro (PS) da Santa Casa. "Na época, o município pleiteou a vinda do Samu 192 para a cidade e uma das prerrogativas era a adequação das vias para que o socorro seja adequado e sem obstáculos", afirma.

Ele alega que, na ocasião, pelo menos quatro quarteirões da rua Cerqueira Cesar e um da rua Valadão, todos de paralelepípedos, "foram asfaltados sem nenhum alarde ou qualquer opinião contrária" e revela que, agora, apenas cinco quarteirões no entorno da Santa Casa - dois na rua Tiradentes, dois na rua Sete de Setembro e um na rua Alvarenga Rangel - receberão a massa asfáltica.

Todos eles, de acordo com o secretário, são rota de ambulância, transporte coletivo e dão acesso aos principais serviços da cidade. "O prefeito conversou e ouviu os moradores dessas ruas e todos foram unânimes com relação ao asfaltamento", declara. "Em nada irá descaracterizar a cidade até mesmo porque o maior número de casarões se encontra, justamente, onde já é asfaltado".

Cunha pontua que, recentemente, mais de 70 ruas de vários bairros receberam asfaltamento. Ele também contesta a alegação de alguns moradores de que Bocaina tornou-se MIT, em grande parte, em razão de sua arquitetura antiga. "Nossa classificação como MIT tem como principal atributo o turismo religioso devido à igreja, às telas e à festa", diz. "Hoje temos apenas um prédio tombado pelo Condephaat e, nesse trecho, (os paralelepípedos) vão permanecer. Além de mais de 40 quarteirões do centro antigo".

'Em pauta'

A arquiteta e urbanista Bruna Bevilaqua postou uma mensagem em sua página no Facebook defendendo que a proposta de recapeamento das ruas de paralelepípedo na região central de Bocaina seja amplamente discutida. "Sabendo da existência de visões antagônicas da população local sobre o assunto, é com intuito de garantir que os processos decisórios sejam populares e para que todos os projetos atendam à demanda pública social que me coloco. Não condenando posições, solicito que tais ações sejam, antes de executadas, colocadas em pauta com a sociedade local, visando que a cidade possa atender, sempre, sua função genuinamente social", declara.

 

LEIA NOTÍCIA DIRETAMENTE NO SITE DO JORNAL DA CIDADE. CLIQUE AQUI