Polícia Civil de Jaú investiga golpes no ramo imobiliário

Pelo menos três vítimas relatam em depoimento que foram enganadas por corretores; os prejuízos ultrapassam R$ 64 mil

Por José Luiz H. Galazzini 22/12/2017 - 10:45

Delegado do 4.º DP, Edson Maldonado, instaurou inquérito policial

A Polícia Civil de Jaú irá investigar denúncia de suposto golpe no ramo imobiliário que teria lesado pelo menos três moradores do município em mais de R$ 64 mil. Além da venda de lotes sem autorização, corretores são suspeitos de comercializarem o mesmo imóvel para mais de uma pessoa.

Nessa quinta-feira (21), três vítimas procuraram o 4º Distrito Policial para registrar boletim de ocorrência de estelionato. Um porteiro de 60 anos alega que pagou entrada de R$ 25 mil por uma casa na Chácara Flora e, após um ano, recebeu ordem de despejo e descobriu que outra pessoa havia comprado o mesmo imóvel.

Durante sete meses, ele conta que pagou um aluguel mensal de R$ 550,00 para os corretores, além de R$ 1,8 mil para supostamente regularizar um financiamento junto a uma instituição bancária para a aquisição da residência. No total, de acordo com a Polícia Civil, os prejuízos do porteiro teriam ultrapassado R$ 30,8 mil.

Um operador de máquina de 36 anos e um vendedor de 39 anos revelam que perderam, respectivamente, R$ 10 mil e R$ 25,5 mil. Em 2015, eles pagaram os valores de entrada por terrenos em loteamento no distrito de Potunduva. A promessa dos corretores era de que o dinheiro seria entregue ao proprietário do empreendimento.

O restante do valor dos terrenos e a construção seriam financiados junto a um banco. Em contato recente com o dono do loteamento, os dois descobriram que os corretores não tinham autorização para negociar os imóveis. Uma vítima procurou um dos corretores, que registrou BO contra ela de injúria ao ser acusado de estelionato.

O delegado titular do 4º DP de Jaú, Edson Maldonado, acredita que outras vítimas poderão surgir com a divulgação do caso. Ele informou que irá instaurar inquérito para apurar eventuais crimes de estelionato e falsificação de documento particular, já que uma das vítimas pode ter tido a assinatura falsificada em um contrato de compra.

 

 

 

 
Conteudo.https://www.jcnet.com.br/Regional/2017/12/policia-civil-de-jau-investiga-golpes-no-ramo-imobiliario.html