Maratona de 380 jogos que vai apontar campeão de 2019 começa hoje

Neste ano, o atual campeão Palmeiras e o vice, Flamengo, são apontados como principais candidatos ao título

Por Paulo Grange 27/04/2019 - 14:56

O Campeonato Brasileiro começa hoje. A competição é a principal do calendário do futebol nacional e coloca na briga as 20 principais forças em busca do título em maratona que vai durar as próximas 38 rodadas e 380 jogos. A competição tem um histórico de equilíbrio e, além da disputa pela taça, costuma reservar emoções a torcidas de grandes clubes na luta para escapar do rebaixamento.

Neste ano, o atual campeão Palmeiras e o vice, Flamengo, são apontados como principais candidatos ao título eplos elencos numerosos, qualificados e caros. Ambos vão precisar, no entanto, ratificar em campo o favoritismo diante de times que surgem como também postulantes ao troféu. Grêmio, Cruzeiro, Internacional, Corinthians, Atlético-MG, Santos e São Paulo iniciam a competição com grandes expectativas.

O Nacional de 2019 vai ter uma parada de três semanas para a realização da Copa América, que ocorre de 14 de junho a 7 de julho, no Brasil. A edição de 2019 será a 17ª disputada por pontos corridos e vai contemplar os seis primeiros colocados com vaga na Libertadores de 2020, presença na Copa Sul-Americana para quem terminar entre a 7ª e a 12ª posição, assim como vai rebaixar os quatro últimos. Além disso, será disputa já com os ajustes nas regras promovidas pela Fifa.

VAR

Com a expectativa de diminuir os erros de arbitragem e deixar o resultado de campo "mais justo", o Campeonato Brasileiro inicia uma nova era: a do árbitro de vídeo, popularizado pela sigla VAR. O sistema será utilizado nos 380 jogos, mas a CBF admite que levará algum tempo até "cair no gosto" de clubes e torcida. O exemplo dos Estaduais mostrou que ainda falta muito para que o desempenho do VAR seja próximo ao da Copa do Mundo da Rússia.

Implantado nas finais dos principais estaduais do País, o sistema de vídeo ajudou em alguns lances, mas não impediu protestos. Na finalíssima do Carioca, por exemplo, o primeiro gol do Flamengo sobre o Vasco saiu de lance iniciado com impedimento. No Gaúcho, um pênalti marcado para o Grêmio graças a uma imagem congelada no vídeo gerou protestos por parte do Inter. No Catarinense, o VAR foi acionado para avaliar se a bola cruzou a linha em um pênalti cobrado pela Chapecoense contra o Avaí, mas a imagem foi inconclusiva - a Chape quer anular a partida no tribunal.

Na CBF, o discurso é que os Estaduais colaboraram para o uso do VAR no Brasileirão. "Foram um treinamento fundamental para que a gente conseguisse ter uma melhora da nossa performance no Campeonato Brasileiro", afirma o novo presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba. "Não podemos comparar a experiência de Copa do Mundo com a dos Estaduais. Aqui estão experimentando pela primeira vez, lá tinha um quadro de árbitros de vídeo formado, eram todos especializados."

Gaciba admite que o sistema está sujeito a falhas: "O objetivo do árbitro de vídeo não é chegar a 100% de acerto. Ele tem que chegar o mais perto possível na questão da perfeição, mas perfeição não se alcança nunca".

Opinião semelhante tem Sérgio Corrêa, ex-chefe da arbitragem e um dos responsáveis pela implantação do VAR no País. "É claro que nós teremos dificuldades. Você não tira de um campo de futebol um cara que está trabalhando há 10, 15 anos, coloca numa sala de tecnologia e diz 'faz aí meu jovem, resolve todos os problemas'. Isso vai demandar um tempo. É um processo, e é preciso que todos entendam."

Apesar disso, os dois estão otimistas. "A sigla VAR passará a ser 'Vamos Aumentar Rendimento'. A arbitragem brasileira vai aumentar seu rendimento", promete Gaciba. "O Brasil vai terminar o ano como o país com o maior número de jogos sob a coordenação e a implementação do árbitro de vídeo."

O sistema usará as imagens captadas pelas TV durante os jogos. Segundo Gaciba, serão pelo menos oito câmeras. Nos casos em que a transmissão tenha apenas sete equipamentos, a CBF fornecerá uma câmera extra.

Clubes se beneficiam com disputa de TVs

A distribuição do dinheiro para os clubes no Campeonato Brasileiro mudou nesta temporada por causa da entrada da Turner na concorrência pela transmissão dos jogos na TV fechada. A disputa com a Rede Globo, de uma maneira geral, beneficiou as 20 equipes da primeira divisão, que devem faturar mais do que nas edições anteriores.

As emissoras pagarão um total de R$ 1,26 bilhão pela competição. A Globo distribuirá cerca de R$ 1,1 bilhão (R$ 500 milhões na TV fechada), que será repartido em três vezes: 40% pagos no começo do torneio e divididos igualmente entre os 13 clubes que assinaram com ela; 30% por exibição das partidas e 30% por performance nas 38 rodadas.

A Turner distribuirá cerca de R$ 160 milhões (somente na TV fechada) de modo semelhante, mas com porcentagens diferentes. São 50% para os sete times que fecharam com ela igualitariamente; 25% por exibição nos canais e 25% por colocação.

A Turner entrou para a briga com uma proposta inicial maior em relação ao que havia sido pago pela emissora rival no ano anterior na TV fechada. Para não perder o domínio das transmissões, a Globo mudou sua estratégia, que até então privilegiava Flamengo e Corinthians com receitas maiores. A emissora também tirou uma fatia do dinheiro previsto para pagamento da TV aberta e aumentou o valor na TV fechada.

A reportagem entrou em contato com a Globo no início da semana, mas até a publicação desta matéria não teve retorno sobre o novo formato. A Turner respondeu sem dar detalhes das cláusulas gerais e informou apenas que tem os direitos de transmissão de 42 jogos da Brasileirão.

O Campeonato Brasileiro possibilitou aos clubes ter três tipos de contrato com as emissoras. Dos 20 que estão na disputa, 19 fecharam com a Globo para a transmissão das partidas na TV aberta - só o Palmeiras não assinou ainda. O time de Felipão e o Athletico são os únicos que não fecharam para os canais pay-per-view, que também são da Globo.

Na TV fechada, só haverá transmissão de 52% dos jogos da disputa porque a cobertura contempla partidas entre adversários que estejam no mesmo contrato. Na atual edição, 13 times fecharam com a Globo e sete com a Turner - são eles Bahia, Ceará, Fortaleza, Inter, Santos, Athletico e Palmeiras.

 

1ª Rodada

São Paulo-SP

  x  
27/04/2019 16:00

Botafogo-RJ

Atlético-MG

  x  
27/04/2019 19:00

Avaí-SC

Chapecoense-SC

  x  
27/04/2019 19:00

Internacional-RS

Flamengo-RJ

  x  
27/04/2019 21:00

Cruzeiro-MG

Grêmio-RS

  x  
28/04/2019 11:00

Santos-SP

Ceará-CE

  x  
28/04/2019 16:00

CSA-AL

Bahia-BA

  x  
28/04/2019 16:00

Corinthians-SP

Athletico -PR

  x  
28/04/2019 16:00

Vasco da Gama-RJ

Palmeiras-SP

  x  
28/04/2019 19:00

Fortaleza-CE

Fluminense-RJ

  x  
28/04/2019 19:00

Goiás-GO