Menu
Sábado, 24 de outubro de 2020

João Sanzovo se reúne com Bolsonaro e livra supermercadistas do aumento do preço do arroz: governo reduz impostos

.

09 de Set 2020 - 20h:57 Créditos: Paulo César Grange, com ABRAS e Agência Brasil
Crédito: João Sanzovo durante entrevista ao Jornal Nacional

Gente de Jaú foi notícia de novo no Jornal Nacional. Desta foi o presidente da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS),  o jauense João Sanzovo Neto, um dos donos da rede Jaú Serve. Ele e o primeiro vice-presidente João Galassi se reuniram com o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta quarta-feira (9), em Brasília, para discutir o aumento de preço dos itens da cesta básica. Ele livrou o setor supermercadista da culpa pela disparada no preço do arroz e disse que são os produtores que optam por exportar para ganhar mais, por isso falta o produto no país. No fim da noite, o governo anunciou a redução no imposto de importação.

Sanzovo explicou que o setor supermercadista não pode ser responsabilizado pela alta nos preços, que é reflexo de problemas de produção e de câmbio. Na saída da reunião, o presidente João Sanzovo concedeu entrevista coletiva à imprensa e destacou que os supermercados não são vilões. “Nós somos a ponta. Estamos próximos ao consumidor. E, assim que sentimos que havia uma pressão muito forte de preços, fizemos um alerta ao governo”, disse Sanzovo.

No dia 3/9 a ABRAS comunicou à Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça e Segurança Pública, sobre os reajustes de preços do arroz, feijão, leite, carne e óleo de soja, com o intuito de buscar soluções junto a todos os participantes da cadeia de fornecedores dos produtos comercializados nos supermercados.


Redução está restrita a 400 mil toneladas de arroz beneficiado

A Câmara de Comércio Exterior (Camex), vinculada ao Ministério da Economia, decidiu nesta quarta-feira (9) zerar a alíquota do imposto de importação para o arroz em casca e beneficiado. A isenção tarifária valerá até 31 de dezembro deste ano. 

De acordo com a pasta, a redução temporária está restrita à cota de 400 mil toneladas, incidente arroz com casca não parboilizado e arroz semibranqueado ou branqueado, não parboilizado, de acordo com a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM). Até então, a Tarifa Externa Comum (TEC) incidente sobre o produto era de 12%, para o arroz beneficiado, e 10% para o arroz em casca. 

A decisão foi tomada durante reunião do Comitê-Executivo de Gestão da Camex, a partir de um pedido formulado pelo Ministério da Agricultura. O colegiado é integrado pela Presidência da República e pelos ministérios da Economia, das Relações Exteriores e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Alta nos preços

O objetivo da isenção tarifária temporária é conter o aumento expressivo no preço do arroz ao longo dos últimos meses. De acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea/USP), o preço do arroz variou mais de 107% nos últimos 12 meses, com o valor da saca de 50 kg próximo de R$ 100. Os motivos para a alta são uma combinação da valorização do dólar frente ao real, o aumento da exportação e a queda na safra. Em alguns supermercados, o produto, que custava cerca de R$ 15, no pacote de 5 kg, está sendo vendido por até R$ 40.






Deixe um comentário


Leia Também

Veja mais Notícias