Menu
Segunda, 12 de abril de 2021

Natural de Jaú, Manu Saggioro já tem 4 lives da série do show Caipira Paulista

O show reúne Manu Saggioro (voz e viola), Daísa Munhoz (voz), Levi Ramiro (viola caipira) e Rogério Plaza (sanfona)

14 de Mar 2021 - 23h:46 Créditos: Adriana Bueno Comunicação
Crédito: Divulgação

Contemplado pelo ProAc Expresso da Lei Aldir Blanc, o projeto Caipira Paulista é liderado por Manu Saggioro e inclui 6 lives realizadas no canal de YouTube Caipira Paulista, sempre às quintas-feiras, às 19 horas. A primeira live Caipira Paulista foi em 18 de fevereiro e a última será dia 25 de março. Na quinta-feira passada, dia 11, foi realizada a quarta edição disponível neste link: https://www.youtube.com/channel/UCMLbSu15v4yE6QldjmmiVGQ

O repertório nasceu de uma pesquisa realizada por Manu Saggioro, que envolveu a música raiz e a cultura caipira do interior do estado, abrangendo as mesorregiões de Bauru, Araraquara, Ribeirão Preto e Piracicaba. "Canções compostas por gente da nossa microrregião do estado foram sucessos no Brasil inteiro nas décadas de 30, 40, 50 e 60", comenta Manu. Tonico e Tinoco, Angelino de Oliveira, Palmeira e Biá, são alguns dos artistas celebrados nesse encontro musical chamado Caipira Paulista, formado por Manu Saggioro (voz e viola), Daísa Munhoz (voz), Levi Ramiro (viola caipira) e Rogério Plaza (sanfona).

Com tio avô famoso (Paiozinho) nos idos das décadas de 40 e 50, Manu Saggioro, nascida em Jaú (SP), conviveu com a música caipira nas festas de família ao longo de sua infância. Mais tarde, buscando informações sobre compositores das músicas caipiras antigas mais escutadas pelo Brasil, observou que a maior parte desses artistas viveu num raio médio de 150km de sua cidade natal, ou seja, ela cresceu, praticamente, no epicentro de toda a produção caipira das décadas de 20, 30, 40, 50, 60 e 70. A partir das canções desses artistas vizinhos, nasceu o repertório do show Caipira Paulista.


Repertório

Entre as canções e artistas mencionados estão: "Tristeza do Jeca", composta em 1922 por Angelino de Oliveira da cidade de Botucatu; "Chico Mineiro", famosa composição de Tonico e Tinoco, nascidos nas cidades de Pratânia e São Manuel; "Chalana", obra conjunta de Arlindo Pinto com Mário Zan, crescido em Catanduva; e o trio clássico das lendas paraguaias, "Índia", "Meu Primeiro Amor" e "Anahí", recolhidos por José Fortuna, cidadão de Itápolis, nas vozes que eternizaram esses clássicos e muitos outros nas décadas de 1950 e 1960, Cascatinha & Inhana, dupla da cidade de Araraquara.

"Reencontrar raízes nossas, como as presentes na música de nossos artistas rurais de outros tempos, não é um mero 'resgate de nossas velhas tradições'. Não é uma proposta de mera 'preservação de cultura'. É, em outra direção, uma aposta no futuro", avalia Manu.

Beleza da roça

A proposta do grupo é desafiadora. Segundo Manu, o grupo "almeja trazer do passado para o presente algo do que de mais sonoro e mais belo as pessoas 'da roça' de outros tempos souberam criar. E divulgar o que a sua arte preserva de sensibilidade e de uma rara qualidade com que temos muito o que aprender. Isto, se quisermos reaprender a trabalhar a palavra que se diz e a música que se canta tal como souberam criar as pessoas cuja memória musical queremos recriar para o presente e o futuro, mais do que apenas resgatar do passado".


Link para a live de estreia, 18 de fevereiro: https://youtu.be/HkFOo3udMy0

Instagram do projeto: https://www.instagram.com/caipirapaulistashow/


Deixe um comentário


Leia Também

Veja mais Notícias