Menu
Quinta, 17 de junho de 2021

Alunos de Medicina Jaú promovem ação sobre os riscos da diabetes

Iniciativa dos universitários visa conscientizar a população sobre os riscos da diabetes e formas de prevenir e controlar a doença

24 de Mai 2021 - 15h:36 Créditos: Assessoria Unoeste
Crédito: Iniciativa dos universitários visa conscientizar a população sobre os riscos da diabetes e formas de prevenir e controlar a doença (Foto: Cedida)

Na manhã desta segunda-feira (24), os estudantes do curso de Medicina de Jaú da Unoeste realizaram na Unidade de Saúde da Família (USF) do Santa Helena uma ação de alerta à população sobre os riscos da diabetes e a importância de uma alimentação balanceada na prevenção e no controle da doença. Os universitários distribuíram panfletos com orientações e também conversaram com os pacientes que aguardavam atendimento para conscientizá-los dos perigos da doença. A atividade é uma campanha do Programa de Aproximação Progressiva à Prática (Papp).

O panfleto traz orientações de como prevenir e controlar a diabetes por meio de uma boa alimentação e da prática de atividade física. De acordo com o aluno do 1º termo da graduação, Gabriel Vicente de Oliveira, 19, as informações foram tiradas do site da Sociedade Brasileira de Diabetes e a elaboração do panfleto foi pensando em algo bem didático para a população.

“Nossa intenção é que todos que tenham acesso ao material e consigam compreender o que é mais recomendado consumir e o que não é, afinal, nosso objetivo é ajudar a população na prevenção e no controle da diabetes”, explica.

Gabriel reforça que a alimentação está atrelada à causa e ao controle da doença. “É por meio dela que o paciente consegue evitar que a taxa de glicemia atinja níveis mais elevados, por isso, queremos que eles se conscientizem sobre a importância de se alimentar de forma mais saudável e de praticar exercícios, para que não cheguem em situações extremas”, alerta.

A estudante, Gabriela Lopes Leme, 17, conta que a ideia da ação surgiu com os atendimentos aos pacientes do Programa de Aproximação Progressiva à Prática (Papp). Disciplina esta que insere o estudante no serviço de atenção primária, iniciando o contato entre a academia e o serviço desde o primeiro ano do curso de Medicina, em uma parceria com a Secretaria Municipal de Saúde.

“O que nos motivou abordar esse assunto foi que todos os pacientes que o nosso grupo atende no Papp são diabéticos, e, teve um caso em especial, que nos impactou muito. Foi fe um senhor que começou com uma lesão no pé, que foi se complicando, e por conta disso, foi preciso fazer várias amputações até chegar na altura do joelho”.

A aluna relata que o paciente já está sendo acompanhado e orientado, mas que os estudantes, como futuros médicos, não querem que mais pessoas passem pela mesma situação. “É muito difícil ver pessoas sofrendo com essas complicações, sendo que a gente sabe que é possível prevenir e tratar para que não chegue ao extremo. Esperamos que essa ação conscientize o maior número de pessoas possível, para que elas não subestimem a diabetes e procurem se cuidar”, diz Gabriela.

Já a acadêmica Victória Naufel de Geraldo, 18, alerta que uma das principais causas da diabetes é o excesso de peso. “É uma doença bem perigosa, pois, normalmente, não apresenta sintomas. Mas, eles estão lá. Muitas pessoas não percebem quando a doença se instala, por isso é preciso se atentar aos mínimos detalhes, sentir muita sede, fraqueza, diurese excessiva, vista embaçada, perda de peso, podem indicar que a diabetes está chegando”, comenta.

Segundo ela, a melhor maneira de prevenção e controle é manter hábitos saudáveis. “No material nós passamos recomendações básicas de alimentação, mas o fundamental é procurar um médico ou nutricionista para orientação de como manter uma dieta adequada ao seu perfil e, praticar atividade física de intensidade moderada, ao menos 30 minutos por dia”, ressalta.

De acordo com a preceptora do Papp, Ana Letícia Sgaviolli Serignolli, a diabetes é uma doença crônica perfeitamente controlável, e, quanto mais cedo for diagnosticada e a redução dos fatores de risco intensamente trabalhada, outras doenças graves poderão ser evitadas, como insuficiência renal, doenças vasculares, distúrbios neurológicos como acidente vascular encefálico (AVE) e infarto agudo do miocárdio, entre outros problemas de saúde e complicações.

“O controle da glicemia é essencial como forma preventiva, por isso, adotar um hábito de vida saudável alimentando-se adequadamente, realizando exercícios físicos periódicos, não ingerir bebidas alcoólicas e não fumar, é de extrema importância para evitar o diabete e também outras doenças crônicas”, aponta a preceptora.

Ana Letícia acrescenta que a iniciativa partiu dos alunos do Papp 1 da USF do Santa Helena. “Eles sentiram a necessidade de utilizar educação em saúde, para orientar tanto as famílias que acompanham, quanto a comunidade em geral, sobre uma doença que atinge cerca de 13 milhões de brasileiros e 463 milhões de adultos em todo o mundo”, finaliza.

Deixe um comentário


Leia Também

Veja mais Notícias